Natalis Solis x Natalis Domini

 

(Bergognone, Ambrogio (c. 1500) Virgin of the Veil; Milan)

 

Acabamos de comemorar o Natal e na maioria das veze sem sabermos de onde vem tal data. Assumimos o Natal como data do nascimento de Cristo, aquela bela história de que havia o decreto de recenseamento das colônias italianas, imposto por Augusto. Eis então que José se desloca com sua jovem esposa, Maria, até sua terra, Belém para lá registrar-se, ao chegar a mãe dá à luz ao rebento no dia 25 de Dezembro.

Indo um pouco mais fundo, porém, descobrimos que o sincretismo religioso imposto pela igreja cristã, em especial a católica, através dos séculos, usou antigos cultos pagãos para atrair e também apagar estas crenças. Especificamente no caso do nascimento de Jesus, o Nazareno, foi usado o dia 25 para se fundir com a comemoração do Natalis Solis, nascimento de Mitra, o deus Salvador (outra fusão), vencedor e invencível que nasceu de um rochedo.

(Mitra, o Sol Invencível)

 

O Natalis Solis era comemorado dia 25 de Dezembro logo a seguir do inicio do Solstício de inverno, para comemorar o renascimento do Sol. Logo, com a religião cristã tornando-se dominante no império romano, o Natalis Solis transmuta-se para Natalis Domini(Nascimento de Cristo), substituindo e superando o culto pagão.

Cristo também vira Luz e muita vez é visto como Sol, outro “deus pagão”. Ora, sendo Jesus o Sol, nada mais natural que Maria, sua mãe terrena seja vista como a Lua, ou como a própria Terra, no dizer do mestre Junito de Sousa Brandão que afirma Desmitificando e dessacralizando o mito, a Igreja o sublimou, revestindo-o com nova indumentária”.

Cita ainda as palavras de do Papa Inocêncio III: É para a Lua que deve olhar todo aquele que se acha enterrado na sombra do pecado e da iniqüidade. Tendo perdido a graça divina, o dia desaparece. Não há mais sol. Que se dirija a Maria: sob sua influência, milhares encontram diariamente seu caminho para Deus”. A simbologia é perfeita: Cristo é o sol; Maria, a lua.

Estas histórias, longe de afastar a fé de cada um, para mim, são a forma de que tenhamos uma visão crítica sobre religião, estado. Haja vista que a fusão perigosa do estado e religião, que na maioria das vezes é usada para apagar os sentimentos populares, suas raízes e fé. O sincretismo das religiões estatais não consegue apagar alguns comportamentos repetidos dos antigos cultos pagãos, por exemplo, o do noivo que conduz a noiva em seus braços para ultrapassar a soleira de sua nova casa, que nos ritos antigos era a forma desta ser aceita pelo deus do “lar”.

 

 Save as PDF

0 thoughts on “Natalis Solis x Natalis Domini”

  1. Pois é, a igreja católica buscou muitos de seus símbolos no mitraísmo, como a própria comunhão e o barrete usado na cabeça pelo papa, cujo nome não deixa dúvidas: Mitra!!!!Também Mitra nasceu, como Cristo, de uma virgem…Assim sendo, o catolicismo se apoiou no mitraísmo e no judaísmo para ditar seus dogmas e é por isso que sou pela tolerância religiosa: até em religião, tudo se copia…

  2. por falar em deus do lar, voce ja leu a cidade Antiga, de Fustel de Coulanges? eu me amarro, mas começo a ler, vem outras leituras, eu paro e começo de novo! preciso me disciplinar pra aproveitar bem!

Deixe uma resposta

Related Post

TravessiaTravessia

Share this on WhatsApp    Parece que ficar angustiado já não resolve, uma série de sentimentos vão se misturando, que um só não é capaz de dar vazão. As demandas

%d blogueiros gostam disto: