Batman: Capitalismo ou Barbárie?


Batman, o Cavaleiro das Trevas ressurge.

Batman, o Cavaleiro das Trevas ressurge.

 

 

Neste fim de semana, finalmente vi a última parte da trilogia de Batman, O Cavaleiro das Trevas, a versão definitiva do herói adulto. Separando assim, os antigos seriados, quase comédia (O Batman “Gordinho” ), dos vários e irregulares filmes feito para cinema, desde final dos anos 80. Houve pelo menos três tentativas distintas de retratar o HQ, a primeira delas com um show de Jack Nicholson, que fazia o Coringa, depois Tim Burton, um ambiente gótico, mas não convincente. A última com Robin e uma representação mais juvenil.

Quando Christopher Nolan assumiu o comando de Batman, DC Comics estava decidida a enfrentar a legião Marvel com um herói mais “velho” com um apelo mais forte, buscou a versão mais carregada e destrutiva, uma visão de barbárie permanente, em alguma medida próxima dos conflitos de Wolverine e de X-Men. A reconstrução da origem da história de Bruce Wayne, com a morte dos pais, seu primeiro sumiço, com retorno no julgamento/absolvição do criminoso, parte dali sua descrença total na justiça estatal e no Estado de Direito.

Para uma melhor compreensão da minha visão sobre Batman, na série o Cavaleiro das Trevas, é preciso ler (ou reler) o texto A Questão do Herói , ali, com amplos detalhes, traço o conceito de Herói, desde seu nascimento, sua educação, seus ritos iniciáticos, de como assume “identidade secreta”, quando se torna protetor de sua cidade e/ou povo, as anormalidade físicas e espirituais, por fim sua queda e a morte. O conceito complexo da questão do Herói está presente em Batman, não aquele anterior “juvenil”, mas na sua mais ousada e plena forma, do Cavaleiro das Trevas.

Depois da primeira experiência de descida à caverna, um claro rito iniciático do pequeno Bruce, ele fará um novo mergulho, como numa segunda catábase, no oriente. Esta nova experiência, moldará definitiva o adulto, atormentado e amargurado Bruce Wayne.  Seu treino/ preparação pela Liga das sombras, com valores radicais de purificação humana, nem que para isto significa uma longa matança, indiscriminada, não identificando culpados ou inocentes, tratando a todos como um bloco único, apodrecidos pela corrupção, caos social e nenhuma perspectiva de saída política. A ordem e os planos da Liga eram caros demais ao jovem rico, de uma família que fazia da filantropia, uma tentativa de amenizar o caos.

Este novo Batman, quase conceitual, se deve graças ao desenho de Frank Miller quando recriou o herói com uma visão mais sombria, um homem atormentado psicologicamente, preso ao passado de culpas e desejo sádico de vingança. Que dar pouco ou nenhum valor ao Estado de Direito, agindo por conta própria, usando de seu poder para se tornar um “vigilante” social, que combate o crime a corrupção não respeitando ou reconhecendo os limites legais. Numa frase lapidar do filme dois, o Coringa sendo interrogado na prisão por Batman é bem direto: “Você e Eu somos foras da lei, não reconhecemos nenhum limite, somo iguais”. Aqui começa a problema conceitual de Batman.

A visão ultraliberal do roteiro de Miller coincide com o da Direita radical dos Estados Unidos, que se mostrou recentemente no Tea Party, o Estado é “inimigo” do povo, serve apenas para manter uma burocracia corrupta e falida. O heroísmo individualista, que pune os corruptos, não os levando ao julgamento legal, ou tribunais, no limite, os elimina fisicamente. A inspiração da “Liga das Sombras”, ainda mais radical que propõe a limpeza total e ampla de Gotham City (EUA), como se fosse purificar a humanidade, de tão corrupta e decadente civilização. A doutrina do império, mesmo com seu liberalismo exacerbado não tolera os radicais, ainda que semelhante com o diagnóstico de que Gotham e a civilização precisem de uma limpeza.

O Batman é a expressão de um estado de exceção, a Lei Dent, equivalente ao Patriot Act 1, que regeu os EUA após a queda das torres gêmeas, todas as garantias individuais estavam suspensas, o aparelho estatal visível nos filmes coincide também com a do império, só se enxerga a polícia e o poder coercitivo do Estado. As fundações privadas comandam as redes sociais de proteção, não o Estado, a Fundação Wayne sustenta hospitais, escolas e creches. A prisão de Blackgate pode ser a mesma de Guatánamo, os presos tanto numa como na outra prisão estão sujeitos ao regime de exceção, não cabendo progressão de pena, revisão, ou qualquer prerrogativa de Direitos Humanos.

A metáfora vai mais fundo, se no segundo episódio o caos total assombrou Gotham, assim como as queda das torres gêmeas assustou Nova York, o hiato de sete ou oito anos de uma aparente “paz” forçada pela lei Dent/Act 1, só terminará simbolicamente com a queda da bolsa de valores, a quebra dos bancos alimentadas pela ampla especulação, ou no filme a invasão direta, com transferências de valores, da maior empresa: Wayne Enterprise. A arte imita a vida, o herói é novamente chamado, para evitar a queda total. A leitura do conflito é bem definida, o poder do capital, também pode destruí-lo.

Poucas vezes um filme de ação, aventura conseguiu ser tão instrutivo. Bane, o anti-herói toma o poder em nome do povo, uma caricatura de “socialista” ou dos “Occupys”. Todos são convidados a tomarem o poder, mas ali, na visão tipicamente de criar um caos, uma barbárie, com tribunais de exceção com um louco, Dr Crane, como juiz supremo, a condenação se dá em segundos, morte ou morte, pois o exílio é o caminho da morte.  A bomba de Neutro, apocalíptica é armada. Nada ou ninguém será capaz de desmontar, a redenção de Gotham/Nova York, é certa, nem que seja pela sua destruição completa.

O filme é grandioso, como foram as primeiras partes da trilogia, mas é um aviso claro, não se trata de aventura, diversão, mas de ideologia, sem ideologia, uma surda luta, quase paranoica que diz: EUA estão mal, mas o que vem de fora é pior, a Liga das Sombras, similar a Al Qaeda ou qualquer coisa do gênero. Assim, Tea Party, Batman, o anti-Estado, se junta ao Comissário Gordon, Democrata, o Estado, para se livrar da barbárie. Mas o que sobrará disto tudo?

 Save as PDF

6 thoughts on “Batman: Capitalismo ou Barbárie?”

  1. Grane arno, ótimo texto.

    Já estava para comentar seu “Batman Gordinho” mas aguardei o lançamento do último epsiódio e de sua análise para fazê-lo.

    einhas referência de Batman iniciaram-se com o Gordinho mas se consolidaram, de fato, com a sequencia de Tim Burton. Para mim uma obra prima que funde elemebtos quase contraditórios: o gótico e um ambiente de quadrinhos mais, digamos, animado. Lembrando que o Gótico preconiza a escuridão, a penitência e a seriedade em seus ambientes. Mesmo com falhas, Jack Nicholson como Coringa e Michele Pfifer como Mulher-Gato foram escolhas perfeitas e a direção de Burton muito boa. Para mim as interpretações ajudaram a elevar os dois primeiro episódios a filmes, para mim, lendários.

    Não perdeirei tempo analisando os dirigidos por Joe Schumacher pois eles não valem nem para gastar o dedo digitando.

    Quando veio a sequencia de Nolan confesso que sequer fui ao cinema dado meu desencanto com os filmes anteriores. Optei por esperar o DVD.

    O primeiro filme da série, Batman Begins, para mim também foi épico. Bom casting, bem ambientação e um com Batman quase dialético, sempre expondo suas feridas.Com momentos quase Hegelianos, onde a espiral negativa toma conta do ambiente e parece que não há superação possível. Ainda sim, tendo a concordar com o aburguesamento do herói e aquele irritante tom conferido por Hollywood de que tudo deve terminar razoavelmente no final. Talvez isso deixe a obra incompleta

    Já em O Cavaleiro Das Trevas, a questão do Vigilante é colocada à mesa, assim como o controle social através de ferramentas teconológicas. No entanto, o “Bushismo” da prática é solapado no final do filme, quando Lucius Fox destrói a máquina que permite que permite ao Batman interceptar todas as ligações telefônicas de Gotham. Sem falar no enfrentamento com o Coringa, que tortura e quebra o herói, colocando-o em seu devido lugar, um humano empoderado mas muito contraditório. Creio que as mensagens do Dark Knight foram bastante profundas no campo ideológico.

    Em O Cavaleiro das Trevas Ressurge, embora o tom ideológico tenha ficado claro e você o descreveu muito bem, o fio condutor dialético negativo prossegue, com personagens sempre contraditórios e auto-destrutivos e onde vitória no campo material é apenas mais um estágio para outras crises que estão por vir.

    Portanto, achei a trilogia de Nolan muito boa. Ideologicamente melhor do que a Burton e com personagens mais conectados às nossas próprias contradições.

    Um abraço!

Deixe uma resposta

Related Post

Slipping AwaySlipping Away

Share this on WhatsApp“Guess it’s just another dream That’s slipping away Each time I fall asleep It seems I’m just drifting away Just as yo have touched my heart Babe

%d blogueiros gostam disto: