Oblivion – Música Rendentora

Oblivion: o não Futuro é o Passado destruidor
Oblivion: o não Futuro é o Passado destruído

E num posto avançado, acima da terra, Jack Harper (Tom Cruise) observa o que restou do planeta Terra, em 2077, depois de uma hecatombe nuclear, o planeta se tornou inabitável, uma colônia se prepara para partir definitiva para Titanium uma das luas de Júpiter que aparentemente tem uma similaridade com a antiga Terra. Jack é o responsável pela manutenção dos Drones que vigiam o que sobrou do planeta.

A invasão de extraterrestre foi a provável razão pela corrida nuclear, os botões foram acionados o que levou a destruição quase completa do planeta, pelo menos é assim, que a realidade se apresenta a Jack. Ele é um privilegiado por poder voltar ao planeta, mesmo que seja em missão de manutenção, mas por trás da destruição ele mantém um pequeno rancho, que vai juntando objetos encontrados soltos no meio do caos. Livros, discos e uma velha vitrola que nos levará a uma viagem musical espetacular, que embalará o encontro com sua “Eva”, Julia, a belíssima Olga Kurylenko, renascida ou enviada dos céus.

Aliás, é muito comum em filmes em que a Terra parece destruída, a música faz o planeta renascer, ou se encher de sentido graçasa a elas, que são tão especiais, senão vejamos: no filme “O livro de Eli” soa num antigo Ipod a magistral “how can you mend a broken heart” na voz de Al Green. Ou no Wall-e em que ecoa “It Only Takes a Moment” de Jerry Herman feita para o clássico “Hello, Dolly!”, ali a embalar o amor futurista de Wall-e com EVA. No Oblivion, o tema de amor, redentor, é a não menos clássica “A Whiter Shade of Pale” (já resenhada aqui A Whiter Shade of Pale) na grande e incomparável versão de Procol Harum. No filme “A Rede”, sobre internet, lá do começo, anos de 1990, com Sandra Bullock a mesma música foi usada como tema.

Em Oblivion a dimensão da música de Procol Harum é bem maior. Ali, naquele rancho mítico, a música rola trazendo vida e sentido aos caos, que varreu a vida da Terra. Como sempre a arte, cinema e música, nos redime e nos faz sentir melhores mesmos nos piores momentos pelo que passamos. Hoje, a junção de música e filme, na sessão de “música da sexta”. Apenas não entendi por que o filme “Oblivion”, dirigido por Joseph Kosinski, foi tão ignorado nos cinemas e nas redes sociais.

Oblivion – Love theme ( Procol Harum – A Whiter Shade of Pale )

Imagem de Amostra do You Tube

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: