O Resto é Silêncio

silencio_arvore

“O resto é silêncio” (Hamlet – W Shakespeare)

O tempo é longo desde o último artigo publicado. A Ausência, inicialmente, seria apenas por conta das minhas férias de trabalho e pela necessidade de me afastar de tudo, avaliando inclusive como seria a minha relação com o blog e com as redes sociais. Depois de cinco anos escrevendo aqui, pensei que já tinha feito muito mais (muito mesmo) do que havia pensado quando comecei esta aventura de contar meus causos e histórias.

Porém um velho fantasma resolveu reaparecer em minha vida, daqueles que causam tormentas e pesadelos inimagináveis, que você não deseja nem aos seus piores inimigos. Minha filha voltou a adoecer com Leucemia, o mesmo tipo da outra vez, agiu de forma silenciosa e extremamente rápida, no dia seguinte ao fim da viagem de férias, as velhas dores, em menos de três dias estávamos todos internados no hospital, enfrentando o velho adversário.

Estou silenciado, sem saber o que dizer ou escrever, pois tudo o que possa dizer, ganhará peso e dor, as feridas estão reabertas, as veias e pele roxeada pelas picadas, assim se apresenta. Aqui pouco importa se é justo ou injusto, apenas é. Pouco me interessa se o que se passa é um espécie de carma, uma purgação, se vem do bem ou do mal, não costumo blasfemar contra Deus, deuses, crenças, o que sei é que a doença existe, apenas, não como fugir, fingir que não se sabe.

Tudo é concreto, real, forte e não podemos escapar daquilo que a vida nos impôs, uma vez, duas vezes, o que efetivamente conta é nossa capacidade (dela em especial) de lutar como nunca, acreditar que pode (mos) vencer. O que já havíamos trilhado e vencido, agora temos que novamente caminhar, ou melhor, remar tudo de novo, pacientemente, como se não houvesse acontecido, antes.

As correntes de apoio de fé, orações (de tantos credos e religiões) e ou de energias positivas (ah, meu ateus) se ativaram imediatamente. Tantas pessoas se associam às nossas dores, doando amor, carinho e emoção, demonstrando que ainda há solidariedade, que as relações humanas acontecem, mesmo em momentos tão dominados por pessimismo generalizado com a vida, com a sociedade. As pessoas respondem do seu jeito, na medida de suas forças, com pensamentos e intenções sinceras. Só terei olhos para este lado bom, pois ele nos fortalece e nos ajuda a atravessar o deserto.

Ao contrário da primeira vez, agora prefiro me resguardar, a ela principalmente, tudo é muito complexo e estranho, não há o que dizer, apenas sentir e brigar muito para vencer mais uma vez. Eventualmente tratarei do tema, mas sem compromisso de falar nada mais do que escrevo agora, pois o resto é silêncio.

6 thoughts on “O Resto é Silêncio”

  1. No seu silêncio, se crê, converse com Deus.
    Após o último acidente, em 2012 e princípio de AVC em 2013, me encontrei no Espiritismo, onde para mim, as explicações tem sido suficientes e tenho estudado um bocado.
    Que Deus o proteja e aos seus, com muita Luz, Amor e Alegria!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: