Aldir Banc – O Bardo Tijucano.


Obrigado, bardo da Tijuca, mestre das letras, Aldir Blanc.

“Bendita a lâmina grave que fere a parede e traz
As febres loucas e breves que mancham o silêncio e o cais”
(Corsário – Aldir Blanc)

A partida de um grande Bardo, como Aldir Blanc, abre uma dura reflexão sobre todos nós que teimamos em escrever, para nós é preencher folhas, uma tela de computado, um espaço vazio de letras, enquanto para tipos como ele, era preencher o espaço imaginário com palavras que fazem todo o sentido.

Captar os sentimentos e as emoções de um lugar, partindo de sua tribo, aquela coisa bem elementar, o particular, mas que se espalha pelo universo com a naturalidade de que apenas os gênios conseguem e elaboram sobre o todo, aquilo que é o humano, o ser, as coisas e as letras.

A amplitude das palavras escritas, ou postas numa ordem tão divina, encanta, é uma magia que os magos, esses poetas das sombras que de repente disparam raios, iluminando o todo. As metáforas improváveis, a capacidade de tirar de uma cena insólita, todo o sentido do amor, do verbo.

A dor da ida ao Limbo, o local dos poetas, pensadores, filósofos, onde se encontram os grandes, nada de Campos Elísios, essa bondade e imaculidade, não os pertence. O Limbo é a metáfora maior dos que não creem em céu, inferno ou purgatório, apenas viveram para dar sentido à vida terrena e seus descaminhos do eterno.

Sorria, Aldir, Elis, João Bosco, Nana Caiymmi, e tantos outros que verbalizaram as palavras, desenhadas em papéis, que viraram letras, poesia e sons, embalaram sonhos, amores, dores, fossas e novas vidas, novos amores, novas chances, porque tudo isso é apenas a Resposta ao tempo, mestre querido.

As minhas lágrimas são de felicidade, nenhuma tristeza por um dia, em 1983, um professor comunista de português usou sua poesia e suas letras para me encantar.

Obrigado!

“Sentindo frio em minh’alma
Te convidei pra dançar
A tua voz me acalmava
São dois pra lá, dois pra cá
Meu coração traiçoeiro
Batia mais que o bongô”

 

 Save as PDF

3 thoughts on “Aldir Banc – O Bardo Tijucano.”

  1. Maravilha de texto, caro Arnóbio. Eu estou certo de que este homem calvo e de barba longa e branca que nos deixou hoje (que pena, que pena, que pena!) é um dos maiores cronistas e poetas da canção de todo o mundo. Sim, de todo o globo terrestre. Ele foi um cronista que, partindo da cena carioca, descreveu o Brasil para o mundo, para que alguém, daqui a mil anos, que venha a ler uma de suas crônicas ou letras de canção de seu “Rua dos Artistas e Transversais”, saiba quem foi esse homem, essa mulher brasileira, esse boêmio que encontra todo sentido na vida a partir de uma conversa de botequim. Sim, ele estava entre a comicidade e o humorismo de Sérgio Porto e a tragicidade cômica ou comicidade trágica de Nelson Rodrigues, como diz Ruy Castro hoje na Folha/UOL, mas ele não é nem um, nem outro, nenhum outro. Ele é Aldir, duro na queda. Mas nem nossos heróis (não temos heróis!, temos poetas!) são eternos. Só mesmo Aldir pra fazer um bam-bam-bam do morro chorar por sua mulata de olhos claros, o qual lhe perdoará toda traição (Duro na Queda), só mesmo Aldir pra falar das pedras pisadas do cais como o monumento de seu Almirante Negro (Mestre-Sala dos Mares), só mesmo Aldir para dar respostas ao Tempo, atirando-lhe na cara o fato de adormecer as paixões (Resposta ao Tempo). Só mesmo esse poeta da Muda-Usina, esse carioca da gema, pra me dizer que há meninos que nascem entre a ronda e a cana (Tiro de Misericórdia) e pra me contar que o “Brazil não merece o Brasil” (Querelas do Brasil). Há um pedaço de nossa gente (gente estúpida, gente hipócrita) que não te merece, Aldir. Perdemos um poeta, que comporá a Plêiade Brasileira. Adeus, Aldir. Tenho pena daqueles que nunca te tiveram no coração.

    1. Jessé,

      Fez um comentário que em muito supera o texto, meu grande amigo, camarada e parceiro de movimento estudantil, um gênio, um craque, aliás, os irmãos todos.

      Grande abraço.

  2. Deixe de exagero, que foi você a inspiração de todos nós que fomos gestados na ETFCE naqueles anos inesquecíveis.

Deixe uma resposta

Related Post

Divina ComédiaDivina Comédia

Share this on WhatsApp    “ANTES DE MIM COISA ALGUMA FOI CRIADA EXCETO COISAS ETERNAS, E ETERNA EU DURO. DEIXAI TODA ESPERANÇA, VÓS QUE ENTRAIS!” (Divina Comédia – Dante Alighieri)

%d blogueiros gostam disto: