O Ocaso do Domingo

O Ocaso de Domingo, uma repetição de vida e dores.

No ocaso do dia voltando da casa de minha mãe, aqui em Fortaleza, no carro rolava as músicas típicas do fim do domingo, mas pareciam mais melancólicas do que o normal, ainda que fosse apenas mais um domingo, dia tradicional da melancolia, entretanto com a Pandemia virou um dia como outro qualquer, de certa forma perdeu o posto de modorrento, triste.

Why are Sundays so Depressing (The Strokes), In Liverpool (Suzane Vega), A Whiter shade of pale (Procol Horum), Only for You (Heatless Bastards), foram rolando, uma a uma, e eu perdido ouvindo-as, ao mesmo tempo em que ai pensando sobre o significado delas, mais ainda, a relação de domingo com melancolia, especialmente para mim, de onde surgiu.

As duas lembranças brochantes do domingo. a primeira, a música do início do Fantástico, prenunciava uma tristeza sem fim, a segunda-feira que  ameaçava chegar e nos devolver a dura realidade do dia a dia, do sofrer semanal, após um ilusório fim de semana. Com um tempo, ainda bem jovem, passava reto o Fantástico, lendo, ou ouvindo música, na época não tinha TV a cabo, nem mesmo vídeo cassete.

A outra lembrança era o intervalo do futebol anunciando as “atrações do Faustão”, a voz irritante do apresentador, aquele inovador comunicador do final dos anos de 1980, do maravilhoso “Perdidos na Noite”, se transformou num dos maiores chatos de galochas, absurdamente insuportável, o chapa branca oficial da Globo, no domingo, era a voz anunciando que o fim de semana acabava.

A tática era colocar em “Mudo” ao final do primeiro tempo, logo trocando de canal, para não ter risco de topar com o Faustão. Depois, mesmo gostando de futebol, passei a colocar no “Mudo” quase todo o jogo, o “padrão Globo” é uma ofensa à inteligência.

Ao final da reflexão num cruzamento um pai pedia esmolas, ao lado de uma menina, não mais que cinco anos, descalça, a cena destruiu meus toscos pensamentos “classe média sofre” com o domingo…

A vida é muito dura, para esses devaneios.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

Paralelo entre Crise Econômica e a Pandemia.

seg mar 15 , 2021
Share this on WhatsApp Print 🖨 PDF 📄 eBook 📱“Tenho sangrado demais Tenho chorado pra cachorro Ano passado eu morri Mas esse ano eu não morro” (Sujeito de Sorte – Belchior) Quanto tempo mais teremos que aguentar o tormento da Pandemia da COVID-19? O medo de sermos contaminados? De seus […]

Arquivos

%d blogueiros gostam disto: