A Luta contínua pela sobrevivência.


A sobrevivência no mundo digital e distante.

As datas comemorativas (hoje dia das mães ou qualquer outra que seja) são as mais difíceis de viver, de sentir, a sensação será de que não há o que comemorar, ou que sejam relativizadas, pois a vida seguiu de um jeito ou de outro, parece que o dia demora mais a acabar como se esperasse alguma coisa a mais de todos nós.

Vamos suportando, desviando os pensamentos para outras coisas, tentando organizar as ideias, claro que não é tão simples assim, mas é o que se pode fazer, ou melhor, é o que se tem que fazer mesmo, manter a serenidade e esperar um novo dia, que o domingo se desmanche, surgindo uma outra segunda-feira.

 As condições gerais da vida, trabalho e ganhos financeiros, por exemplo, tem dificultado para que se possa pelo menos sentir alguma tranquilidade, paz para seguir e não ter que sofrer outras pressões que aprofundam as dores e preocupações sobre o presente e o futuro.

Claro que essas questões de sobrevivência econômica são as mais comuns num país que vai caindo num buraco sem fundo, ano a ano, sem que se tenha esperança de haja uma reação ou melhora no cenário de queda. Então é lutar com todas as forças para se sustentar com o que for possível,

A paciência e a resiliência, são as qualidades para aguentar a situação e atravessar esses anos de tantas dores e sofrimentos, pessoais e coletivos, pois não ficamos alheios a tudo o que acontece em nossa volta, o que acontece com nosso povo, além dos nossos próprios problemas privados.

Por mais que as comunicações seja distantes, por meio digitais, a falta de calor humano, mas é o que se tem, as interações de apoios e sentimentos, não importando como sejam, mas o que transmitem.

Assim, seja!

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

TempoTempo

Share this on WhatsApp    “Every year is getting shorter never seem to find thetime.Plans that either come to naught or half a page ofscribbled lines” ( Time – Pink

AssoberbadoAssoberbado

Share this on WhatsApp“Mas eu que despertara, refletia em meu irrepreensível espírito se devia morrer, lançando-me nas ondas ou se permaneceria em silêncio e continuaria entre os vivos. Resolvi sofrer

%d blogueiros gostam disto: