Das Confissões – O Dia de Domingo.


O céu azul lindo de Fortaleza, Ceará.

“Perdida toda a sombra de esperança!
Em vez de nós, expulsos, exilados,
Criada já existe a prole humana,
Prazer novo de Deus, e este amplo Mundo
Para morada deleitosa dela”
(Paraíso Perdido – John Milton)

Domingo é o dia do “ato penitencial”, o dia do arrependimento, daquele sentimento de culpa, seja do que seja, talvez venha dessa introspecção a razão da melancolia desse dia, Durante a manhã, acordar depois dos excessos da sexta e sábado, para buscar o “perdão” (não importa, culto, religião), o almoço é mais tarde, a sesta, o futebol, aí vem aquele banzo.

Por essa razão, sendo livre de culpas e pecados, do ponto de vista religioso e religiosidade, a reflexão invariavelmente para as ações do dia a dia, as relações interpessoais, as interações com o mundo, com os amigos, com as pessoas em geral. Nem sempre encontro uma explicação certa sobre determinados fatos e situações complexas que enveredamos na semana e na vida.

Nem sempre o “balanço” é positivo, mas seguimos em frente, sabe-se lá para onde.

Cada vez percebo que estou mais forte e firme na defesa de algumas teses que são centrais na minha vida e sobrevivência, entre elas, os Direitos Humanos (Eu soudesse pessoal dos Direitos Humanos) como forma de defesa da vida e da dignidade humana, inclusive a minha.

Por outra mão, faz muito tempo que não tenho nenhuma preocupação em carregar a verdade e a certeza, de que detenha o conhecimento e que a razão esteja comigo. Nesse bojo, nem me lembro mais de que, por longo tempo, mudaria as pessoas, que elas iriam pensar como eu, nada disso, aprendi que a melhor mudança é mudar a si mesmo, eventualmente alguém terá ideias comuns e juntos lutaremos por essas ideais.

É parte de minhas reflexões combater as minhas vaidades, as minhas pinimbas contra coisas, grupos e personagens. Rever as minhas idiossincrasias, as minhas esquesitices que muitas vezes me fazem perder o prumo, ou não ser o que sou.

Mas essas manias e vícios são parte de nossas contradições e defeitos normais e humanos, não quero saber de redenção, absolvição, perdão de pecados, apenas viver, com dignidade.

Bom domingo.

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

ResiliênciaResiliência

Share this on WhatsApp“Pois saibas sem sombra de dúvida que eu não trocaria minhas misérias pela tua servidão; acho preferível estar escravizado a este penhasco a ser o mensageiro fiel

%d blogueiros gostam disto: