O Significado do “Filho do Homem” na Terra

A Titanomaquia a sucessão de deuses.

“Pois soube da Terra e do Céu constelado
que lhe era destino por um filho ser submetido
apesar de poderoso, por desígnios do grande Zeus.
E não mantinha vigilância de cego, mas à espreita
engolia os filhos. Réia agarrou-a longa aflição.”
(Teogonia – Hesíodo)

O filho de D’Us, o Messias, virá ao mundo, na profecia de Isaias, para salvar seu povo escolhido, numa clara separação da humanidade entre os eleitos e os demais. A cosmogonia Judaico-cristã tem muitos elementos de outras religiões, no sentido restritivo de Deus único, ainda que ele, no caso cristão, tenha uma tríade, pai-filho-espírito santo.

A mitologia grega com seus deuses e seus sucessores violentos, as lutas entre gerações, entre pais e filhos pelo “poder central”, mesmo com a multiplicidade de divindades, houve um afunilamento para um desfecho de criar um Deus-Pai, Zeus, é o pai dos deuses e dos homens, o romano Ju-piter (Deus-Pai), não um deus-único, mas uma divindade superior às demais.

O poderoso Zeus, filho de Cronos e Réia, não à toa, teve seu nascimento na Terra, no Monte Ida (Creta), pela precaução de sua mãe, preocupada com o destino dos filhos, todos engolidos pelo pai (Cronos), com medo de que um deles tomasse o seu poder, assim,  eram devorados quando nasciam, menos o “filho do homem”, que veio a terra não como enviado, mas como parte de sua iniciação, inclusive, sua proximidade com a raça dos homens.

O ardil de Réia foi parir o filho na terra, para que ali crescesse, dando a Cronos uma pedra enrolada em cueiros, o raivoso pai, apenas engole mais um filho de sua prole. O mais importante é a condição do “filho do homem” ser criado na terra, o que não é incomum em tantas religiões e custos, o simbolismo de Zeus é que, ao crescer, sucede o pai, se tornando a maior das divindades.

Sua relação com a humanidade será de amor e ódio, por não ter a devoção e vassalagem inconteste, sem a intervenção do “tio” Prometeu, que ajudou a subida ao poder e o estabelecimento do Olimpo como centro das divindades, ao mesmo tempo entrega aos homens o fogo (a ciência, consciência, inteligência) para que estes não sejam destruídos pelo poder despótico de Zeus.

A visita, a vinda do “filho do homem” à terra é parte de uma relação complexa de fé e de reafirmação do poder divino, uma forma de marcar o seu povo escolhido.

O Cristianismo, de certa forma, não existiria sem as formulações de Paulo de Tarso, um grande intelectual e de conhecimento militar e de política. A construção do cristianismo foi muito além de mais uma Religião, pois ela foi formatada visando unir o Poder Político e Espiritual.

Nesse sentido, entre as sutilezas, a própria compreensão de Verdade como revelação e libertação abstrata, como sendo a palavra daquele jovem profeta judeu dissidente. Algo não incomum, a questão da verdade, mas ela foi transformada em ideologia e Fé.

Essa duas semanas, a Páscoa Judaica e Cristã, uma seguida da outra, o que nos leva à tantas viagens, como essa, feitas por um agnóstico, como dizia Eco, tão apaixonado por religiões e deuses e deusas.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

A Liberdade das Redes Sociais ou seria Prisão Ideológica?

qua mar 31 , 2021
Share this on WhatsApp Print 🖨 PDF 📄 eBook 📱“como em sonho tenho o espírito: acorrentado” (A Tempestade – W. Shakepeare) A péssima sensação de que o mundo travou na noite entre 31.12.2019 e o eterno 2020. O dia seguinte, ao 2019, começou uma realidade paralela continuada. Poucos atos humanos […]

Arquivos

%d blogueiros gostam disto: