A Questão do Valor e a Morte da Morte de Marx.

Marx e a morte recorrente.

O Dinheiro não é apenas um objeto da mania do enriquecimento, mas sim O seu objeto. A mania de enriquecimento é por essência auri sacra fames*” (Grundrisse, Marx)

Há formulações, aparentemente pequenas, não obstante, cruciais para a compreensão de um sistema tão complexo, ajudam como explicação essencial a disputa de projetos, de vidas e de existência humana. Sem embargo, a que me refiro, como centro de todos os debates, que vem atravessando por mais de 150 anos a esquerda, é a questão do Valor, da formação de Kapital, da reprodução, circulação e realização.

A maior descoberta de Marx, um observador atento, cientista, pesquisador com profundidade e de escrita tão sedutora e envolvente, que a leitura do Kapital deveria ser feita, primeiro, como uma curiosidade estética, de indicações literárias e amplo conhecimento do pensamento humano, em suas obras há um apanhado histórico, não apenas de economia e filosofia, mas de passeio pela produção cultural da humanidade.

O tal delírio comunista deveria ser o de conhecer o Kapital, nem que fosse por curiosidade literária.

Assim, com o primeiro desejo (literário) saciado, pelos milhares de links (sem google) que você encontrará na sua enorme obra, cujo norte é a questão Valor, repito, se isso não lhe atrair, amarrar, pode seguir e ler os filósofos e os escritores gregos, Shakespeare, Goethe, economistas clássicos, entre tantas outras coisas, ali mencionados.

O Valor como síntese da sua produção (Kapital), passando pelo seu excedente (Lucro) até à sua apropriação privada (luta de classes), fundam uma concepção teórica, conceitual, de todos os sistemas econômicos, do capitalismo em particular, em todas as suas fases, inclusive a atual de desenvolvimento.

Essa teoria, a do Valor, tem como base a vida material real da humanidade, em todos os seus vários estágios na terra, desde as cavernas à sociedade ultramoderna e quase virtual.

A negação da Luta de classes, ou de que não haja mais produção de lucro pelo extraordinário avanço tecnológico, ou seja não há mais Valor em si, faz parte da luta ideológica (política) que visa desarmar a Classe trabalhadora em geral, o que, por si, eleva os ganhos do Kapital.

Dentro desse contexto, da disputa ideológica, Marx é constantemente Negado, à esquerda e à direita, alguns dizem que são pós-Marx, o que não deixa de ser risível, pois a simples menção ao seu nome cria uma contradição sobre a teoria por ele desenvolvida, claro que isso vira quase uma necessidade de lutar contra um fantasma, aquele mesmo que ronda a Europa e o mundo.

Marx morreu. Viva, Marx!

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

O Ultraliberalismo na Berlinda.

sex jun 11 , 2021
Share this on WhatsApp Print 🖨 PDF 📄 eBook 📱 “As sutilezas dormem nos ouvidos dos parvos” (Hamlet – W. Shakespeare) O importante é competir, nas olimpíadas, na vida real, o que interessa mesmo é que seja Lula 2022. Eleições não são os jogos olímpicos, por suposto, essa máxima não […]
%d blogueiros gostam disto: