O "Choro" de Marina

O que significa o choro de Marina? O messianismo de volta.
O que significa o choro de Marina? O messianismo de volta.

Vi a cena patética de Marina chorando, magoada com o ex-presidente Lula, de que é vítima dele e do PT, de uma campanha sórdida contra ela e seus apoiadores mais fieis. E enquanto a maioria dos meus amigos e companheiros de debates acha que aquela cena é falsa, cheguei a uma terrível conclusão, a de que o choro de Marina é real, verdadeiro, não precisou de muita preparação, de que a pedissem para chorar, ela apenas chorou, assim como sorriu num enterro, o lado reverso de uma mesma moeda, nada fora de uma personalidade que se revela.

Simplesmente ela chorou porque se acha “Acima do Bem e do Mal”, como um “avatar”, um ser especial, um Guru messiânico, ela não aceita ouvir o outro lado, as verdade de quem não lhe é fiel, não importa aqui se os outros estão certos ou errados, mas ela não quer saber, apenas se magoou e publicamente extravasa seus sentimentos e “verteu lágrimas”, que repito, são sinceras demais, reveladoras demais.

Este tipo de personagem é assustador, pois vai além da razão lógica, no nosso caso, não é da mágoa política, de sentir ofendida pelo seu ex-líder, seu ex-companheiro, apenas ela se esqueceu, ato falho (?), de que foi ela quem rompeu com Lula e com seu partido, que lhe virou as costas. A questão se reverte de caráter psicológico, pois Marina incorporou uma “entidade” uma “persona”, que não pode ser contrariada, que quer criar não uma opção política, um partido, uma corrente de pensamento, mas uma seita de fieis, cuja liderança inconteste é ela, uma enviada especial.

Esqueçamos cidadania, Nação, povo e identidade cultural, aqui estamos diante de alguém que vem para deseducar o país, voltar às raízes religiosas, mas com o agravante de ser uma seita. A imitação mítica de Cristo de que “darei a outra face” nos empurra para o gueto, tudo que se avançou de cidadania retroage ao apelo religioso, dos salvadores da pátria, o mais reacionários dos sentimentos. Crescem os malafaias, ou felicianos, todo tipo de intolerantes religiosos, parece que saídos da idade média, enquanto na outra ponta, a Economia é entregue aos “apóstolos do mercado”.

Este filme já vimos nos EUA com Ronald Reagan, que levou a extrema-direita à reação das liberdades civis dos anos 60, sendo atacados pelo conservadorismo, conjugado a isto a liberalismo econômico total, que vitimou o que sobre do Estado de Bem Estar Social, não por mero acaso o FED ( o Banco Central dos EUA) recebeu mãos livres e efetivamente vem governando os EUA desde 1980, subordinado completamente aos banqueiros privados, liderados pelo Goldman Sachs.

Parece que a história se repete, feito farsa, com Marina seus religiosos e com seus banqueiros neoliberais. O pior é que este embuste, esta tentativa de vitimização se torna ampla, com a repercussão bem urdida pela mídia, que pouco se lixa para os problemas futuros que seriam causados por uma presidente que se comporta como líder de seita, diante de um estado laico, já tão debilitado, tende a zero. Pois espertamente contam que terão ampla liberdade de lucros e controle sobre a economia, enquanto a política retroage a pré-revolução francesa.

É este o problema de Marina, acredito que suas lágrimas revelam muito mais do que um espetáculo de mídia, de uma cena eleitoral, pois elas revelam um panorama farsesco de provável governo dela.

3 thoughts on “O "Choro" de Marina”

  1. Arnobinho, sei que você é e sempre foi um cara de esquerda, mas a conduta de desconstruir o adversário é a prova da degeneração completa do PT. Vc sabe que Marina sempre foi da ala mais moderada do PT, portanto não foi ela que mudou. Quem radicalizou seu projeto – aquele do desenvolvimento econômico com distribuição de renda – foi o PT. Mas a que custo? A coisa foi a tal ponto que formou-se um monstrengo que eu qualifico de governo da “base aliada”. Este governo, que democratizou o crédito e os programas sociais para o povão, rendeu aos banqueiros recordes de lucros, às grandes empreiteiras as tantas obras superfaturadas e inacabadas a custa de dinheiro público, enquanto os serviços públicos foram mantidos à mingua, enquanto pagamos quase metade do orçamento anual do país de juros/amortizações da dívida pública. Marina não será a “salvação” do Brasil. Tão pouco as micro legendas da esquerda e seus candidatos inexpressivos. Mas não é mais possível a pessoas de esquerda com um pingo de honestidade defender o governo da “base aliada”. Abraço, Henrique Acker.

    1. Henrique Acker,

      Meu camarada que bom que você me leu, melhor ainda, comentou. Sobre a situação geral da Economia e sobre seus desdobramentos no Brasil, escrevi um pequeno livro, lá tem o que penso sobre a Crise atual, a adaptação do PT e ao mesmo tempo as contradições gerais de tal projeto. Ainda dentro do livro traço uma perspectiva uma tese sobre o Novo Estado que surge da Crise 2.0, o Estado Gotham City, segundo minha observação e estudo, Marina é que está melhor equipada para implementar um novo alinhamento ao grande Kapital, aliás, ela é o protótipo de tal projeto, que despreza a política e criminaliza sua ação.

      Aqui não tem nada de desconstrução, pelo menos da minha parte, esta série tem 10 artigos em que vou alinhavando o significado nefasto de um governo Marina, cujo ataque aos trabalhadores será brutal.Segundo minha análise, o Brasil entrou na Crise 2.0 em agosto de 2010, a superprodução de Kapital chegou ao seu ápice, mas a saída para um novo ciclo do Kapital depende essencialmente de um Novo Estado, o PT ainda ;é uma contradição ao projeto principal.

      Grande abraço,

      Arnobio

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: