Histórias Roubadas

Retratos de uma Época: Histórias de vidas roubadas, emoções, sentimentos e dores,

As histórias contadas nesse tempo serão cheias de dores e de sangue.

As milhares de perdas vão se somando como se fossem apenas números, mais e mais números, um 1482, num outro 1726, ainda além 1910, agora 250 mil, uma semana depois 260 mil, no próximo mês os 300.000, tudo reduzindo a uma contagem constante de mortes.

E as vidas atrás das vidas? Os amores desfeitos, os avôs e avós que partem, os pais e mães, que deixam órfãos, novos ou adultos, isso não é natural, é fato que as pessoas morrem, todos os dias, mas o que se tem é uma abreviação de histórias, de sonhos e esperanças.

A visão monstruosa da economia de que o núcleo dos óbitos, de mais de 70% dos mortos são de idosos, “aliviarão a previdência”, como algo “positivo”, e ao mesmo tempo reclamam que as restrições de isolamento prejudicam a economia, como se a vida fosse um detalhe qualquer.

A mídia passa o dia todo nessa relação esquizofrênica sobre o significado da Pandemia: Ora falam dos prejuízos da economia, ora falam sobre as histórias desfeitas com as mortes. De certa forma esses sentimentos complexos e contraditórios colocados pela mídia entre informações cruéis e entretenimento (apelação por audiência) com as mortes causam mais aflições no cotidiano.

Os registros que se faz, não vinculados à grande mídia criam uma outra narrativa para a tragédia que se vive no Brasil e no mundo.

A  maior preocupação que deve se ter é contar essas histórias humanas, histórias roubadas não pela pandemia, mas pelas condições de vida humana, em que a sua distância do centro, é fatal para sua vida e sobrevivência no caos atual. Saber o que era importante e quais os sonhos dessas vidas roubadas, do seu contexto familiar, relações com seu meio e sua comunidade.

Dar rosto humano, não apenas números, parece ser o mais difícil e o menos “vendável”, na sociedade do espetáculo em que tudo vira uma relação de consumo.

Celebremos os nomes e as pessoas, não o amontoado de números.

(Ao meu amigo Paulo Jacob, com sentimento de grande saudade, vá em paz)

 

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

"Esmerdalhar": A Pedagógica Comunicação de Bolsonaro

sex mar 5 , 2021
Share this on WhatsApp Print 🖨 PDF 📄 eBook 📱 Era difícil  até para ele de se superar, mas Bolsonaro conseguiu: ‘Chega de frescura, de mimimi. Vão ficar chorando até quando?’ (Bolsonaro, Jair – 04/03/2021) Desde o início da Pandemia, Bolsonaro, vem produzindo uma coleção de frases absolutamente desrespeitosas com […]
%d blogueiros gostam disto: