Alucinação de um rapaz Latino Americano


Socorro, poeta Belchior.

A minha alucinação é suportar o dia a dia, assim com a maioria de todos nós, desde épocas remotas até o presente, perdidos num sistema em que aparentemente estamos sozinhos ou largados à sorte (ou azar), procurando cura de nossos males, pecados, erros e defeitos, de uma raça que se sobressaiu sobre as demais.

E meu delírio é a experiência com coisas reais, pois é impossível apenas sentir as dores do mundo, conviver com os humilhados do parque com os seus jornaissuas histórias inverossímeis, uma mentira que consola, como as manchetes de jornais, é como sentir a solidão das pessoas dessas capitais preocupadas com a violência da noite, o movimento do tráfego.

Não obstante, nesse mundo maluco e rumo à barbárie, pouco estou interessado em nenhuma teoria e muito menos em nenhuma fantasia, nem no algo mais, a vida real foi destruindo nossos sonhos e utopias, quase nada sobra de esperança.

Mas não se preocupe meu amigo, com os horrores que eu lhe digo, talvez seja apenas exagero, pois a vida realmente é diferente, quer dizer,  muitas vezes ao vivo é muito pior, preferimos ser otimista e ver de forma mais branda, nos entanto, sei que assim falando pensas, Que esse desespero é moda em…2022.

É que bate um desespero, pois você não sente nem vê, e tenho que repetir não posso deixar de dizer, meu amigo, com todas as forças grito: de que uma nova mudança em breve vai acontecer. Portanto não se preocupe, saiba ainda que viver é melhor que sonhar e que o novo sempre vem.

Obrigado, Belchior, poeta e conterrâneo.

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

Wild HorsesWild Horses

Share this on WhatsApp    Final de expediente de sexta, fim de semana que se aproxima, várias reflexões se perdem ouvindo baixinho Wild Horses, do Rolling Stones, na voz de

%d blogueiros gostam disto: